Paulo Goulart

Paulo Goulart
Picto infobox masks.png
PauloGoulart.jpg
Paulo Goulart
Nome completo Paulo Afonso Miessa
Data de nascimento 9 de janeiro de 1933
Local de nascimento Ribeirão Preto/SP
Ocupação Ator, dramaturgo e produtor
Página oficial


Paulo Goulart (Ribeirão Preto/SP, 1933 - São Paulo/SP, 2014) foi ator, dramaturgo e produtor.


Biografia

Paulo Afonso Miessa nasceu em Ribeirão Preto, interior de São Paulo, no dia 9 de janeiro de 1933, e adotou o nome artístico de Paulo Goulart. Estudou Química Industrial, mas começou a trabalhar no rádio, como operador de som e locutor de uma emissora fundada pelo pai em Olímpia. No início dos anos 50, transferiu-se para São Paulo e foi aprovado em um teste para rádio-ator na Rádio Tupi, onde participou de diversos programas, como o que era comandado por Amácio Mazzaropi, com que fez seu primeiro trabalho em televisão, em 1952.

O teatro entrou em sua vida nesse mesmo ano, ao ingressar na Companhia Nicette Bruno e Seus Comediantes, no Teatro de Alumínio. Foi lá que conheceu a atriz Nicette Bruno, com quem se casou. O casal teve três filhos: Beth Goulart, Paulo Goulart Filho e Bárbara Bruno, que também entraram para a carreira artística.

Sua estréia no teatro foi em 1952, em "Senhorita Minha Mãe" e, no mesmo ano, esteve em "Amor Versus Casamento". Paulo Goulart e Nicette Bruno fundaram, em 1953, o Teatro Íntimo Nicette Bruno (TINB), onde o ator encenou peças como: "Ingênua Até Certo Ponto", "Week-end", "É Proibido Suicidar-se na Primavera", "Brasil Romântico", "Ingenuidade", "Bife, Bebida e Sexo", "Ingênua Até Certo Ponto".

Em 1956, mudou-se para o Rio de Janeiro, para participar da montagem de "Vestido de Noiva", de Nelson Rodrigues. Nessa mesma época, ingressou na companhia teatral de Eva Todor, onde atuou em 'Vê Se Me Esquece", "Anastácia", "Pedro Mico", "Inimigos Íntimos", entre outras.

Em 1962, Paulo Goulart e Nicette Bruno foram morar no sul do país, onde viveram durante cinco anos. Em Curitiba, trabalharam na Escola de Teatro Guaíra e participaram do Teatro de Comédia do Paraná onde realizaram uma série de espetáculos como: "Um Elefante no Caos", de Millôr Fernandes, 1963; "A Megera Domada", de William Shakespeare, 1964; "O Santo Milagroso", de Lauro César Muniz, 1965. No ano seguinte, reencenam "A Megera Domada", agora mais uma vez sob a batuta de Antunes Filho.

Ele também foi autor de teatro. Iniciou em 1975, escrevendo "Nós Também Sabemos Fazer", peça que ele próprio dirigiu no mesmo ano. Em 1980, foi a vez de "Mãos ao Alto, São Paulo!", dirigido por Roberto Lage. No ano seguinte, Aderbal Freire-Filho dirigiu seu texto "Mãos ao Alto, Rio!". Em 1983 escreveu duas peças, "O Infalível Dr. Brochard", outra direção de Roberto Lage. Em 1990, em parceria com a filha Bárbara Bruno, lançou "Look Book Hip House".

Autor de livros, lançou “7 Vidas”, um livro de auto-ajuda, “Grandes pratos e pequenas histórias de amor” , livro de culinária, e “Vôo da Borboleta” .

Seus trabalhos mais recentes foram: :"Crimes Delicados" (2000); "O Evangelho Segundo Jesus Cristo" (2001); "Sábado, Domingo e Segunda" (2003); e “O Homem Inesperado”, de Yasmina Reza, direção Emílio de Mello, com supervisão de Daniel Filho.

Paulo Goulart morreu em São Paulo, no dia 13 de março de 2014, aos 81 anos, devido a um câncer na região entre os pulmões.

Teatro

  • 1951- Senhorita Minha Mãe, de Louis Verneuil, direção de Ruggero Jacobbi
  • 1951- Amor Versus Casamento, de Robert Anderson, direção de Rubens Petrilli de Aragão
  • 1953- É Proibido Suicidar-se na Primavera, de Alejandro Casona, direção de Ruy Affonso
  • 1953- Ingênua até Certo Ponto, de Hug Herbert, direção de Armando Couto
  • 1953- Brasil Romântico - O Primo da Califórnia, de Joaquim Manuel de Macedo, direção de Ruggero Jacobbi
  • 1953- Brasil Romântico - Lição de Botânica, Machado de Assis, direção de Ruggero Jacobbi
  • 1955- Bife, Bebida e Sexo, de Hug Herbert, direção de Paulo Francis
  • 1956- Lotaria, de Luís Iglesias, direção de Willy Keller
  • 1957- Os Amantes, de Samuel Rawet, direção José Maria Monteiro
  • 1957- A Vida Não É Nossa, de Accioly Netto, direção de José Maria Monteiro
  • 1957- Paixão da Terra, de Heloísa Maranhão, direção de José Maria Monteiro
  • 1958- Gigi, de Colette, direção de Cayetano Luca de Tena
  • 1958- Inimigos Íntimos, de J. P. Grédy e Pierre Barillet, direção de Aurimar Rocha
  • 1959- Os Brasileiros em Nova York, de Pedro Bloch, direção de José Maria Monteiro
  • 1962- Minha Querida Lady, de Alan Jay Lerner, direção de Victor Berbara
  • 1964- A Megera Domada, de Shakespeare, direção de Antunes Filho
  • 1966- Oh, Que Delícia de Guerra!, de Charles Chilton e Joan Littlewood, direção de Ademar Guerra
  • 1974- Constantina, de Somerset Maugham, direção de Cecil Thiré
  • 1974- O Prisioneiro da Segunda Avenida, de Neil Simon, direção de Antônio Abujamra
  • 1974- Orquestra de Senhoritas, de Jean Anouilh, direção de Luís Sérgio Person
  • 1976- Papai, Mamãe & Cia, de Paulo Goulart, direção de Ariel Bianco
  • 1978- Casal Classe Média, Televisão Quebrada, de Armando Chulak e Sérgio Cecco, direção de Antônio Abujamra
  • 1980- Dona Rosita, a Solteira, de Federico Garcia Lorca, direção de Antônio Abujamra
  • 1983- Rei Lear, de Shakespeare, direção de Celso Nunes
  • 1986- Sábado, Domingo e Segunda, de Eduardo De Filippo, direção de José Wilker
  • 1991- Céu de Lona, de Juan Carlos Gene, direção de Renato Icarahy
  • 1994- Enfim Sós, de Lawrence Roman, direção de José Renato
  • 1999- Arte, de Yasmina Reza, direção de Mauro Rasi
  • 2001- O Evangelho Segundo Jesus Cristo, de José Saramago, direção de José Possi Neto
  • 2003- Sábado, Domingo e Segunda, de Eduardo De Filippo, direção de Marcelo Marchioro


Autoria

  • 1975- Nós Também Sabemos Fazer
  • 1976- Papai, Mamãe & Cia
  • 1980- Mãos ao Alto, São Paulo!
  • 1981- Mãos ao Alto, Rio!
  • 1983- O Infalível Dr. Brochard
  • 1990- Look Book Hip House

Produção

  • 1957- A Vida Não É Nossa
  • 1957- Paixão da Terra
  • 1979- Treze
  • 1979- A Maravilhosa Estória do Sapo Tarô Bequê
  • 1980- Mãos ao Alto, São Paulo!
  • 1980- Dona Rosita, a Solteira
  • 1986- Divina Encrenca
  • 1988- O Olho Azul da Falecida