Teatro de Arena

O Teatro de Arena foi fundado em São Paulo, em 1953, pelo ator e diretor José Renato, que faz parte da primeira turma da Escola de Arte Dramática de São Paulo (EAD), como forma de se contrapor aos espetáculos produzidos na época pelo Teatro Brasileiro de Comédia (TBC). A proposta era de apresentar produções de baixo custo, que durante dois anos forma apresentadas em espaços improvisados. Em 1955, uma garagem na Rua Theodoro Baima, no centro de São Paulo, é adaptada e passa a ser a sede da companhia.

Depois de enfrentar uma série de dificuldades financeiras, o grupo conhece o sucesso com a chegada de Gianfrancesco Guarnieri, um jovem ator do Teatro Paulista do Estudante, que apresenta, em 1958, seu texto "Eles Não Usam Black-Tie", que permanece mais de um ano em cartaz e abre espaço para o surgimento de um movimento para revelar novos autores brasileiros, destacando-se, entre outros, Oduvaldo Vianna Filho e Flávio Migliaccio.

Outra figura de extrema importância no processo de criação e produção é Augusto Boal, que além de buscar uma dramaturgia nacional, passa a nacionalizar os clássicos. Nessa fase, conta com a colaboração de Flávio Império na criação de cenários e figurinos.

Numa outra fase, o Teatro de Arena volta-se para os musicais, sob a influência do teatro de Bertold Brecht, com espetáculos como "Arena conta Zumbi" e "Arena conta Tirandentes", duas parcerias de Augusto Boal e Gianfrancesco Guarnieri. A inovação é o chamado sistema coringa, em que todos os atores revezavam-se representando quase todos os personagens, sem caracterização.

Mas a repressão do governo militar a partir de 1964 e o Ato Institucional nº 5, o AI-5, impedem a continuidade destas experiências. E a trajetória do grupo é interompida 1972. O espaço é comprado pelo extinto Serviço Nacional de Teatro (SNT), em 1977, e, a partir dos anos 90 e reinaugurado com o nome de Teatro Experimental Eugênio Kusnet.

Espetáculos

  • 1953- Esta Noite é Nossa, de Stafford Dickens, direção de José Renato
  • 1953- O Demorado Adeus, de Tennessee Williams, direção de José Renato
  • 1954- Uma Mulher e Três Palhaços, de Marcel Achard, direção de José Renato
  • 1955- A Rosa dos Ventos, de Claude Spaak, direção de José Renato
  • 1955- Não Se Sabe Como, de Luigi Pirandello, direção de José Renato
  • 1955- O Prazer da Honestidade, de Luigi Pirandello, direção de Carla Civelli
  • 1955- Escrever sobre Mulheres, texto e direção de José Renato
  • 1956- Escola de Maridos, de Molière, direção de José Renato
  • 1956- Julgue Você, de Pierre Conty, direção de José Renato
  • 1956- Dias Felizes, de Claude-André Puget, direção de José Renato
  • 1956- Essas Mulheres, de André Gillois e Max Regnier, direção de José Renato
  • 1956- Ratos e Homens, de John Steinbeck, direção de Augusto Boal
  • 1957- Enquanto Eles Forem Felizes, de Vernon Sylvaine, direção de José Renato
  • 1957- Marido Magro, Mulher Chata, texto e direção de Augusto Boal
  • 1957- Juno e o Pavão, de Sean O'Casey, direção de Augusto Boal
  • 1957- Paris 1900 - A Falecida Senhora sua Mãe, de Georges Feydeau, direção de Alfredo Mesquita
  • 1957- Paris 1900 - Casal de Velhos, de Octave Mirabeau, direção de Alfredo Mesquita
  • 1958- A Mulher do Outro, de Sidney Howard, direção de Augusto Boal
  • 1959- A Farsa da Esposa Perfeita, de Edy Lima, direção de Augusto Boal
  • 1962- Os Fuzis da Mãe Carrar, de Bertold Brecht, direção de José Renato
  • 1962- A Mandrágora, de Maquiavel, direção de Augusto Boal
  • 1963- O Melhor Juiz, o Rei, de Lope de Vega, direção de Augusto Boal
  • 1965- Arena Canta Bahia, texto e direção de Augusto Boal
  • 1965- Tempo de Guerra, de Bertold Brecht, direção de Augusto Boal
  • 1966- O Inspetor Geral, de Nikolai Gogol, direção de Augusto Boal
  • 1966- A Criação do Mundo Segundo Ary Toledo, direção de Augusto Boal
  • 1967- La Moschetta, de Angelo Beolco, direção de Augusto Boal
  • 1967- O Processo, de Franz Kafka, direção de Leonardo Lopes
  • 1967- O Comportamento Sexual Segundo Ari Toledo, direção de Augusto Boal
  • 1967- O Círculo de Giz Caucasiano, de Bertold Brecht, direção de Augusto Boal
  • 1968- A Lua Muito Pequena, texto e direção de Augusto Boal
  • 1968- Sérgio Ricardo na Praça do Povo, direção de Augusto Boal
  • 1968- Mac Bird, de Barbara Garson, direção de Augusto Boal
  • 1968- A Caminhada Perigosa, texto e direção de Augusto Boal
  • 1968- Primeira Feira Paulista de Opinião, direção de Augusto Boal
  • 1969- Chiclete com Banana, texto e direção de Augusto Boal
  • 1969- O Que É Que Vamos Fazer Esta Noite, direção de Augusto Boal
  • 1970- A Resistível Ascensão de Arturo Ui, de Bertold Brecht, direção de Augusto Boal
  • 1970- Arena Conta Bolívar, texto e direção de Augusto Boal